Fale
Fale com a gente
::Home ::Estatuto ::História ::Balanço Social ::Diretoria ::Sede e regionais ::Sindicalize-se
Assessoria de imprensa
:: Entre em contato para outras informações Veja mais

Mulheres continuam sendo discriminadas nos bancos
Segunda rodada de negociação entre o Comando Nacional dos Bancários e a Fenaban acontece nesta quarta-feira (27)

Em seus Relatórios Anuais de Sustentabilidade os bancos apresentam algumas informações que ilustram a desigualdade com a qual as mulheres são tratadas. No Bradesco, por exemplo, o salário médio das mulheres em cargos administrativos corresponde a apenas 75% dos salários dos homens nos mesmos cargos. Do total de diretores do Santander 81% são homens e apenas 19% são mulheres. Na diretoria do Itaú a situação não é diferente. São 80 homens e apenas 10 mulheres. No Banco do Brasil, são 50 homens e duas mulheres nos cargos de governança. E na Caixa, somente na diretoria, são 32 homens e três mulheres.

“Na categoria bancária, as mulheres ocupam 49% do total de postos de trabalho e recebem, em média, salários 24% menores que os dos homens. A diferença vem se acentuando ao longo dos anos, já que era de 21% em 1994. Essa realidade é ainda mais injusta quando se observa que as mulheres bancárias têm escolaridade maior que a dos bancários. 75% das bancárias têm nível superior completo, enquanto entre os homens esse percentual cai para 69%”, disse Juvandia Moreira, presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e região.

Negociação - Nesta quarta-feira (27), a categoria bancária faz a segunda rodada de negociação da Campanha Nacional Unificada 2014. Participam representantes do Comando Nacional dos Bancários e da Federação dos bancos (Fenaban), no hotel Maksoud Plaza, em São Paulo, discutindo os temas segurança e igualdade de oportunidades. A negociação continua nesta quinta-feira (28).

Temas – Entre os temas debatidos durante a segunda rodada de negociação estão: segurança nas agências bancárias (inclusão das portas giratórias com detector de metais, divisória entre os caixas, isenção das tarifas de transferência para diminuir o crime de “saidinha de banco”, entre outros) e igualdade de oportunidades (como maior acesso de mulheres em cargos de chefia, igualdade de salários, maior participação dos negros na contratação do setor).  

Segurança – Acesse os dados da 7ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos: http://www.contrafcut.org.br/download/Arquivo/1382214151.pdf.

 
 
Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região
Se você tem problemas de navegação com este site, contate site@spbancarios.com.br